quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

Que forças?

Se as forças em nós tendem a acabar, o que podemos nós fazer para continuar a lutar?
As lágrimas em vão, as súplicas constantes implorando por dias melhores.
De nada valem as palavras, e os sentimentos estão apagados com o foco do olhar no objectivo final.
Sabendo que já não possuo armas, nem métodos, nem meios, nem coisa alguma que me valha a pena usar...caio em mim. Na pura realidade da perda.
E mais perco por me sentir perdida no meio de alguém que não conheço. Alguém que mudou. Alguém que perdeu...e essa pessoa, sou eu.

4 comentários:

Filho disse...

O caminho para toda e qualquer elevação humana (moral, espiritual e até mesmo física) começa sempre, e invariavelmente,com uma queda. Sabias?

Mais do que a constatação de que algo mudou e de que algo se perdeu (importante, mas apenas na fase inicial da tua requalificação, do teu renascimento), o que deves salientar para ti mesma é que do ponto de onde te encontras só há uma forma de subir...Que é subindo!

Não tens forças? Não tens armas? Não tens meios?

Miúda, creio conhecer-te bem demais para poder afirmar que a Alexandra Bigotte que conheço tem uma das "armas" mais poderosas que o ser humano pode ter: a inteligência.

És inteligente, tens qualidades (e defeitos também, não vás tu ficar convencida =P) e apenas precisas de dar tempo ao tempo. "Observa a corrente do rio que flui e deixa que ela te ensine", aprendi algures um dia. Aprende a contemplar, calma e serenamente, o universo que te rodeia e verás que, com a tua inteligência e com as coisas boas que tens a teu favor, tudo se tornará mais claro e transparente.

Até lá, e sempre que o entenderes (e assim eu possa realmente), conta comigo para o que for preciso. Nem que seja para estes debates pseudo-filo-psicológicos, em que quase nada se diz, dizendo-se, na verdade, muita coisa.

Beijo deste amigo

jefhcardoso disse...

Olá! Com licença; deixe que me apresente: sou Jeferson, um homem comum que gosta de escrever. Quando tenho um tempo saio vadio em visitas a blogs, seguindo a seta que aparece no auto da pagina inicial (próximo blog>>). Posso afirmar que é uma experiência “deliciante”.

Seu texto soa à introspecção, leva a reflexão e exala poesia em prosa; gostei. Parabéns!

Quando encontro um blog bem legal eu posto um comentário e deixo o convite para que conheçam o http:jefhcardoso.blogspot.com/ . Pela proposta de seu blog creio que poderá encontrar algo em minha sessão em preto e branco, que data de novembro.

Parabéns por seu blog e desculpe a intromissão.
Abraço: Jefhcardoso.

Razek Seravhat disse...

Não sei fiquei confuso... Não se você escreve a luta dos bravos guerreiros que não se entregam ou se simplemente relata derrotas de um fatidíco sentimento inacabado e não resolvido. De uma forma de outra, devo admitir que sua maneira franca assusta.

Ternura Sempre!

Se quiser retribuir a visita é só seguir o voo da esperança...

Ковёр-самолёт disse...

vai descansar, ué!